Apae promove debate sobre como o protagonismo empodera e concretiza a inclusão Social

O objetivo da semana foi promover um intenso debate de inclusão social e combate ao preconceito e discriminação das pessoas com deficiência

O Agosto Laranja é um mês dedicado à prevenção de deficiências, onde as Apaes de todo o país promovem ações para conscientizar sobre a importância de alguns cuidados para diminuir a ocorrência de novas deficiências, tanto no nascimento quanto ao longo da vida. 

Foto: MPIAgosto laranja
Agosto laranja

A Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla 2020, realizada pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de todo o Brasil, acontece todos os anos durante o período de 21 a 28 de agosto, desde 2017 quando foi sancionada a Lei 13.585 de 26 de dezembro de 2017, que institui a Semana para essa data. Nesse ano contou com um novo formato, devido ao momento que estamos vivendo, no que diz respeito a pandemia da COVID-19.

Os Debates, palestras e encontros foram realizados por meio de videoconferências, e o objetivo da semana foi promover um intenso debate de inclusão social e combate ao preconceito e discriminação das pessoas com deficiência. 

A Semana trouxe como tema o “Protagonismo Empodera e Concretiza a inclusão Social”, buscando reafirmar no contexto desse movimento, a importância da participação da família, em todos os processos de vida da pessoa com deficiência intelectual e múltipla.

Nesse ano, abordou aspectos como atividade física, inclusão no trabalho, vida sexual, direitos e educação. Além de apresentações culturais de diversas unidades da Apae em todo o Brasil.   

O JTNEWS faz um registro tendo como foco a cidade Aimorés (MG), que contou com vários convidados, entre eles o Promotor de Justiça da cidade, que é piauiense de Teresina, Rômulo Cheguevara Ghandhi Costa Pereira, que iniciou a semana falando sobre o acesso da pessoa com deficiência à justiça e igualdade de oportunidade, esclarecendo as dificuldades enfrentadas, e os seus devidos direitos.

Foto: ReproduçãoPromotor de Justiça Rômulo Cheguevara Gandhi Costa Pereira
Promotor de Justiça Rômulo Cheguevara Gandhi Costa Pereira

Rômulo explicou que mesmo com a Lei Nº 13.146, de 2015, destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania, é extremamente difícil, pois para mudar a forma de se pensar essas pessoas, é preciso muito mais tempo.



"É preciso muito mais tempo, tendo em vista que a gente tem muitos e muitos anos de discriminação, de segregação e de um pensamento de que se trata de pessoas de categoria inferior, quando na verdade, não se pode ter esse pessamento. Parece simples, parece fácil dizer 'Ah não! A pessoa com deficiência é capaz, normal. É uma pessoa como qualquer outra, ela pode fazer tudo'. Mas mudar um pensamento, a perspectiva das outras pessoas, é uma coisa extremamente difícil".

Contudo, embora tenhamos leis para garantir que todos sejam tratados com a dignidade, o respeito e a atenção que merecem, o preconceito ainda existe. Infelizmente, ainda vivemos numa sociedade em que é necessária a força da lei para que o deficiente possa receber o que há de melhor a sua disposição.

Todos os vídeos estão no canal do YouTube da Apae Aimores MG.

Fonte: JTNEWS

Comentários