Silvio Barbosa

Professor concursado do Curso de Comunicação Social da UFPI, campus Teresina. Doutor em Comunicação e Mestre em Filosofia do Direito é advogado e jornalista, com 24 anos de experiência de mercado, tendo trabalhado em empresas como Rede CBS (Estados Unidos), Globo, Bandeirantes, Record e TV Cultura. Autor dos livros TV e Cidadania (2010) e Imprensa e Censura (no prelo) e dos documentários Vale do rio de lama - no rastro da destruição, e Sergio Vieira de Mello, um brasileiro em busca da paz no mundo.
Professor concursado do Curso de Comunicação Social da UFPI, campus Teresina. Doutor em Comunicação e Mestre em Filosofia do Direito é advogado e jornalista, com 24 anos de experiência de mercado, tendo trabalhado em empresas como Rede CBS (Estados Unidos), Globo, Bandeirantes, Record e TV Cultura. Autor dos livros TV e Cidadania (2010) e Imprensa e Censura (no prelo) e dos documentários Vale do rio de lama - no rastro da destruição, e Sergio Vieira de Mello, um brasileiro em busca da paz no mundo.

Greta, “a pirralha” que o mundo precisa

Garota sueca de 16 anos é a personalidade do ano da revista Time

Desde a década de 20 do século passado, a revista semanal mais lida do mundo, a norte-americana Time, escolhe a pessoa que faz a diferença para a humanidade a cada ano. Diferença para o Mal, como Adolf Hitler, na capa de 1938, um ano antes de iniciar a mais devastadora guerra da história, como para o Bem, como vemos agora com a adolescente sueca Greta Thunberg, de 16 anos.

Foto: Revista TimeGreta é a personalidade do ano. No título, abaixo do nome dela, a frase "o poder da juventude"
Greta é a personalidade do ano. No título, abaixo do nome dela, a frase "o poder da juventude"

Ela ocupa uma capa que já coube a alguns brasileiros que fizeram história, como os presidentes Getúlio Vargas (1940), pelo apoio que deu aos aliados na Segunda Guerra Mundial, e Juscelino Kubitschek (1956), o desenvolvimentista da década de 50 que parecia conduzir o Brasil a um futuro de crescimento sem igual.

 Até 1999, só homens recebiam essa homenagem da Time, por isso, o nome da capa era “Homem do ano”. Desde então, por razões óbvias de reconhecer que mulheres também podem mudar o mundo, passou para “Pessoa do ano”, ou como é realmente conhecida em português, “Personalidade do ano”.

Feita a introdução histórica da capa da Time, vamos ao principal, que é discutir quem é, afinal, Greta Thunberg. Seria uma invenção das mídias, sempre ávidas por criar heróis e manchetes fáceis, como diriam os mais uma vez constrangidos defensores de Jair Bolsonaro?

Ou seria uma resposta de uma geração culturalmente bem informada que está vendo os estragos irremediáveis feitos ao planeta por um processo obsessivo de produção a qualquer custo?

Faça sua escolha e, sim, ideologia aqui vai contar muito, afinal, quem concorda com as bravatas de Bolsonaro, também concorda que o aquecimento global é invenção dos comunistas e das esquerdas em geral para atacar o capitalismo.

Mas voltemos ao que interessa, Greta, a pirralha. Mas antes, um esclarecimento: esse termo ofensivo foi usado por Jair Bolsonaro para se referir à jovem sueca após ela dizer que indígenas estão sendo assassinados na Amazônia por defenderem a floresta. Ela se referia ao assassinato de dois jovens Guajajara no Maranhão.

Pirralha, disse Bolsonaro, perdendo a chance, mais uma vez, de ficar com a boca fechada. Pois no dia seguinte à ofensa, Greta ganhou a capa da Time e é notícia nos quatro cantos do planeta (é apenas uma força de expressão; a Terra não tem cantos porque é esférica, como todos os planetas do nosso Sistema Solar).

Eleita a mulher sueca do ano e uma das cem pessoas mais influentes de 2019, Greta é filha de uma cantora de ópera e de um ator. Foi diagnosticada com Síndrome de Asperger e transtorno obsessivo-compulsivo, o que explica a luta permanente pelo tema que mais a aflige, o meio-ambiente.

Greta é destaque mundial porque foge à regra dos jovens da idade dela. Deveria estar no shopping gastando dinheiro dos pais com roupas de marca, ou deveria estar no cabeleireiro, ou procurando namorado, ou alienada nas redes sociais, como toda adolescente, sonhando com plásticas e seios maiores, dizem os críticos.

 Só que não... no lugar da alienação do dia-a-dia, ela passou, em 2018, a fazer um protesto todas as sextas-feiras na frente do parlamento sueco, em Estocolmo, pedindo aos políticos que tomassem medidas para reduzir as emissões de poluentes que contribuem para o aquecimento global.

Dia após dia, foi chamando a atenção de quem passava pela frente do prédio, depois da imprensa sueca, dos países vizinhos, e, em poucos meses, o ato solitário da garota insistente com sua placa de protesto, ganhou o mundo todo. Greta inspirou protestos por toda a Europa, foi convidada a discursar nos mais importantes fóruns mundiais e ganhou inimigos entre pessoas e governos que defendem que não precisamos cuidar da natureza, que está tudo bem, seguindo o ciclo natural do planeta.

Pirralha, disse o presidente do Brasil, numa ofensa que o mundo inteiro ouviu. Personalidade do ano, diz a revista Time, também para o mundo todo. A “pirralha” realmente está mandando bem. Torcendo por ela, pela causa que ela representa e pelo nosso grande lar, o planeta Terra.

Comentários