Giulieny Matos

Gosta do cotidiano. É especialista em segurança pública e educadora autônoma. Formada pela Unb, trabalha atualmente em prol da prevenção precoce da violência. Colaboradora da Magazine Internacional IPA Brazil. Possui 12 livros publicados.
Gosta do cotidiano. É especialista em segurança pública e educadora autônoma. Formada pela Unb, trabalha atualmente em prol da prevenção precoce da violência. Colaboradora da Magazine Internacional IPA Brazil. Possui 12 livros publicados.

2 de novembro de 2020: um dia para chorar nossos mortos e refletir sobre a preservação da vida

Na ausência de solidariedade humanitária por quem deveria institucionalmente assim proceder, só nos resta consolarmo-nos uns aos outros

Foto: Amazônia RealTemos o direito de chorar nossos mortos!
Temos o direito de chorar nossos mortos!

O dia de finados de 2020 acorda com o registro superior a 1.196.020 mortos no mundo, já ultrapassado o marco de um milhão de perdas, sem contar as subnotificações. No Brasil, 160 mil pessoas deixaram suas famílias. Os Estados Unidos lidera o dia de finados com quase 231 mil falecidos.

Foto: Divulgação/wikipédiaNúmeros que assustam na estatística de mortes da pandemia no Brasil e no Mundo
Números que assustam na estatística de mortes da pandemia no Brasil e no Mundo

No Brasil, São Paulo com assustadores 39 mil mortes, seguido do Rio de Janeiro com 20 mil. Minas e Ceará, numa média de 9 mil. Distrito Federal com 3.683 e Piauí com 2400 finados. É bem difícil encontrar alguém que não tenha sofrido ou lamentado a morde de um ente familiar ou de uma pessoa conhecida.

A contaminação pelo novo corona vírus aproximou-se, tal forma dos lares, a ponto roubar a cena. Apesar dos esforços e de todos os cuidados médicos junto aos contaminados, nem todos escaparam dessa terrível doença que ataca os viventes, causando-lhes dificuldades respiratórias, perda do paladar, sinusite, dor aguda, diarréia em alguns casos, dores musculares intensas, agravamento de outras doenças crônicas, com preferência pelos diabéticos, obesos, asmáticos, debilitados de algum modo.

Foto: otempo.com.brMapa da contaminação da Covid-19 no Brasil
Mapa da contaminação da Covid-19 no Brasil

Vírus mórbido. Vírus veloz

Com sua velocidade impressionante de ataque aos sistemas imunológico e respiratório, o novo corona vírus tem arrastado centenas diariamente para os cemitérios, valas e crematórios. Covas comunitárias. Enterros vazios, sem procissão, a caixões lacrados. Ocupação de terrenos para deitar os corpos ampliados. Campos de plantações repletos de cruzes brancas. Hospitais encapam os corpos de defuntos com plástico para evitar disseminação da enfermidade.

Foto: Divulgação/wikipédiaPandemia se alastrou veloz e letalmente por todo o Mundo
Pandemia se alastrou veloz e letalmente por todo o Mundo

Enquanto os senhores presidentes de outros países honram seus mortos e recomendam cuidados aos vivos, o Sr. presidente brasileiro nem ao menos fez um pronunciamento de condolência às famílias, desde o início da pandemia, até hoje, temporada esta que já completa quase 7 meses.

Choremos nossos mortos, pois temos esse direito. Que nossos entes queridos encontrem a paz e o repouso eterno, e descansem no colo do Pai.

Em nome deste Espaço no Portal JTNEWS, deixo a você, querido leitor que, como muitos de nós já perdeu ente (s) querido (s) ou amigos [sobretudo nessa cruel pandemia da COVID-19], nossos sentimentos de mais profunda solidariedade e compaixão. Temos todos nós, o direito de chorar nossos mortos no dia dos fiéis defuntos, em especial, nesse dia no qual a Igreja Católica sabiamente nos reservou esta data.

Que o próximo dia de finados obviamente em 2021, possamos estar vivenciando uma realidade bastante díspare em realção a deste ano de 2020, pois o que se vislumbra é não somenta a distribuição de vacinas contra a COVID-19 em massa e de forma eficaz, independente de qual país no Mundo esteja fabricando. Seja da China, da Rússia, Inglaterra, EUA ou de qualquer outra nação, o fundamental é erradicar o coronavírus que mata 'sem dor ou piedade'.

Enfim, possamos todos adotar as medidas de segurança para evitar a contaminação, como o uso de máscaras, tratamento imediato ao sentir qualquer tipo de manifestação do vírus, esforçar na higiene, especialmente o lavar as mãos toda hora, pois seguimos enfrentando um momento crucial e triste trazido pela pandemia da COVID-19. Que neste dia de finados (2/11) possamos todos refletir sobre a preservação da vida.

Comentários