"Nem que seja no inferno, nós vamos prender esses traficantes!"

O secretário de Segurança, Fábio Abreu fez essa declaração em desabafo a um dos policiais que trabalhou na apreensão de uma tonelada de cocaína, referindo-se à possibilidade de a decisão ser cassada

O secretário de Segurança Pública do Piauí, capitão Fábio Abreu, continua revoltado com a liberdade de três traficantes [conforme investigação policial, parecer do MPPI e decisão de prisão preventiva do Juízo da Central de Inquéritos] pelo Desembargador Ribamar Oliviera no Plantão Judicial do TJ/PI dessa quinta-feira (26), presos por envolvimento na apreensão de uma tonelada de cocaína no último dia 10/12, no aeroporto do empresário Paulo Guimarães, no município de Timon no Maranhão, ao lado de Teresina [cidades unidas pelo Rio Parnaíba].

Foto: Jacinto Teles/JTNewsFábio Abreu - que promete prender traficantes "nem que seja no inferno"
Fábio Abreu - que promete prender traficantes "nem que seja no inferno"

Fábio Abreu, declarou para pessoas próximas da área da segurança pública, bem como publicamente, o seu descontentamento e revolta com a decisão que culminou com a soltura desses acusados de tráfico, após todo o trabalho de investigação realizado pela Polícia para efetuar as prisões e as apreensões de aeronaves e, inclusive sendo a maior apreensão de cocaína já feita pela Polícia do Piauí.

O JTNEWS teve acesso hoje a um áudio do secretário de Segurança Pública e deputado federal Fábio Abreu em conversa com um dos policiais que trabalhou na investigação que culminou com as prisões dos acusados que foram soltos pela decisão do desembargador plantonista, José Ribamar Oliveira.

Ressalte-se que tal conversa está divulgada em grupos de Whatsapp de policiais, e também vazou para outras pessoas.

O JTNEWS divulga trechos da conversa nesta edição, que obviamente não traz prejuízos a nenhuma das partes envolvidas e sobretudo à segurança pública. Confira:

"Decisão desastrosa, um absurdo. Um tapa na cara principalmente de vocês que trabalharam insistentemente com relação a essa operação. [...] Espero que 'a decisão' seja revista, pois isso não se justifica.

[...] poucos dias após uma prisão tão grande, nós termos a infelicidade de acompanharmos a soltura de todos... pra quê um Habeas Corpus num horário desse? Num dia desses [plantão judicial de final de ano], principalmente numa data dessa, em que sequer o Inquérito foi concluído? É revoltante...,  é de indignar mesmo você ouvir e ver uma decisão dessa, mas eu continuo acreditando na Justiça. 

Continuo acreditando que a gente vai evoluir, e precisamos, porque se nós não tivermos ações mais efetivas nesse sentido, nossos policiais vão ficar muito desmotivados, e muito difícil pra nós enquanto gestor e comandante estar motivando numa situação dessas em que indivíduos com uma tonelada de droga, equipamentos que comprovam a presença deles [eles mesmos] as filmagens que vão ser encaminhadas pra Justiça e menos de 30  dias  você ver todos eles soltos...

Mas, tipo assim... se tiver algo em contrário [referendo-se a uma possível nova decisão contrária à do desembargador plantonista que garantiu a liberdade para os presos por tráfico de droga]..., nem que seja no inferno! nós vamos prender esses traficantes... 

MP do Piauí pede ao Tribunal de Justiça manutenção de prisão dos liberados no Plantão Judicial do TJ

O próprio Ministério Público noticicou no final da tarde desta segunda-feira (30) que interpôs recurso em face da decisão que liberou os traficantes. Eis a notícia do MP:

O Ministério Publico do Estado do Piauí, por meio da 20ª Procuradoria de Justiça, com o auxílio do GAECO, interpôs na tarde de hoje (30/12/2019), perante o TJPI, pedido de reconsideração da decisão do desembargador José de Ribamar Oliveira, que determinou no último dia 26/12/2019, a liberdade de Alexandre Vilela de Oliveira, Vagner Farabote Leite e André Luiz Caje Ferreira, presos em flagrante no último dia 10/12/2019 por tráfico de entorpecentes e associação para o tráfico, na posse de duas aeronaves.

Foto: Jacinto Teles/JTNewsSede Ministério Público do Piauí
Sede do MPPI - de onde saiu pedido de reconsideração para cassar a decião de soltura dos traficantes

Na mesma operação, comandada pelo GRECO, foi apreendida mais de 01 (uma) tonelada de cocaína. Foi verificado que contra André Luiz Caje Ferreira, já havia inclusive, mandado de prisão preventiva decretada pela Justiça de São Paulo, por crime de tráfico ilícito de entorpecentes.

O Ministério Público solicitou a reconsideração da decisão do Desembargador, e consequente expedição de mandado de prisão preventiva contra os investigados, haja vista a permanência de todos os requisitos e pressupostos legais para a decretação da prisão preventiva.

ENTENDA O CASO

Na última quinta-feira (26), o desembargador Ribamar Oliveira determinou a soltura de três dos traficantes durante o plantão do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), sendo eles: André Luís de Oliveira Cajé Ferreira, Vagner Farabote Leite e Alexandro Vilela de Oliveira, fato que causou revolta junto à população, em especial ao secretário da Segurança Pública do Piauí, Fábio Abreu.

O trabalho em conjunto da força policial piauiense resultou na maior apreensão de cocaína do Estado. A operação, que aconteceu no dia 10 de dezembro deste ano de 2019, prendeu sete pessoas, dentre elas três pilotos, indiciados por tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Os acusados são André Luís de Oliveira Cajé Ferreira, Alexandre Vagner Ferraz, Alexandro Vilela de Oliveira, Vagner Farabote Leite, Renato Solon Gondim Magalhães, João da Cruz Marques e Alexandre Barros Pereira de Meneses. 

O grupo atuava no tráfico internacional de drogas e Teresina servia como ponto de apoio, onde faziam uso de sítios na zona rural para a logística da remessa da droga para Fortaleza no Ceará, e de lá para o exterior. Eles foram presos em um aeroporto privado de Timon pertencente ao empresário Paulo Guimarães, no local também foram apreendidas duas aeronaves envolvidas com o "nebuloso" caso de uma tonelada de cocaína.

Fonte: JTNews, com informações do MPPI

Comentários